Artista plástica e fotógrafa. 

Colaboradora do Konst Studio.

LUARA MACARI

Entendendo a arte como uma ferramenta de leitura, assimilação e vivência das experiências do mundo o trabalho de Luara Macari vem se constituindo como um processo que visa articular diferentes materiais (óleo, acrílica, nanquim, foto, vídeo, palavra) para construir um raciocínio subjetivo e sensitivo acerca da negritude,
ancestralidade, espiritualidade, performatividade e territorialidade que atravessam o corpo e experiência da artista.

 

Estudante de arquitetura, escritora, pesquisadora e artista o trabalho de Luara traça um caminho do meio entre diferentes linguagens e expressividades.

 

Entre o áudio visual, poesia, dramaturgia, fotografia, pintura e gravura a artista toma o pb como partido estético mediador das camadas multidisciplinaridades e plurifacetadas que caracterizam sua produção.

 

Desde 2020 Luara Macari vem se debruçando sobre uma pesquisa imersiva intitulada EWÊ, na qual a artista busca construir um vocabulário subjetivo a cerca do axé imanente ao mundo vegetal.

Untitled-1.png

EWÊ >

EWÊ é o nome de uma investigação extensiva pela dimensão sagrada que circunda na seiva de cada ramo que vive. EWÊ - palavra de língua iorubá - significa folha, e folha carrega consigo a foça e o axé que sustentam a vida no Aiê 1 .

Para as espiritualidades de matrizes africanas, é pela manipulação das folhas e do axé que as mesmas carregam que é possível se comunicar com Orun 2 , fazer remédios, promover curas de males e doenças, realizar feitos, desatar nós, conversar com entidades e orixás, para assim, dar seguimento e prosseguimento para as tradições ancestrais que chegam em Brasil através dos processos que englobaram as fases da Escravização.

Em EWÊ, Luara Macari articula diferentes técnicas para investigar, de forma pessoal e autônoma, o axé imanente à vegetação que compõe o tecido territorial no qual o ateliê da artista se encontra. Sem vínculos com instituições religiosas, a artista vem estudando de maneira teórica e intuitiva os usos medicinais e energéticos de folhas e ervas tradicionais para as espiritualidades de matrizes africanas.

 

Partindo do contato e manipulação destas ervas, Macari vem articulando sua pesquisa plástica e visual dês de setembro de 2020. No âmago desta pesquisa, fotografia analógica em dupla exposição, pintura à óleo, desenhos em nanquim colagem e gravuras constroem um vocabulário subjetivo a cerca do axé presente em diferentes folhas e ervas.